terça-feira, 24 de novembro de 2015

Sou um punhado coisas... e de emoções...  mulher de riso fácil e de lágrimas afogadas. Atualmente prefiro engoli-las, não acho que alguém as mereça. Simples e eternamente simples... Generosa mas consciente. Como diz a música "pra dor de amor eu não faço sala". Já fiz... mas não tenho mais tempo pra esses pequenos e constantes maltratos. O que ontem me tirava o sono, atualmente me dá asas. Hoje eu passo por cima, vida que segue, quem quiser, acompanhe... Detesto falsidade. Apesar da complexidade dos relacionamentos e das pessoas, ainda acredito nelas... e como acredito!  Guardo na boca o sabor da vitória e cuspo o amargo da derrota. Nos meus olhos conservo a beleza das almas de quem um dia cruzei e que em algum momento me tocou. Adoro andar descalça, me conectar com a natureza... isso não tem preço! Sou mais solidão do que multidão. Prefiro contar os amigos nos dedos da minha mão do que colecionar "conhecidos". Às vezes confundem meu romantismo, minha sensibilidade com "ingenuidade". Se amar alguém é ser boba, sou a boba de todas as côrtes! Prefiro o bom-humor ao mau-humor. Gosto de pessoas felizes embora jamais abandonarei alguém num momento triste. Quer me ver longe? bem longe? Seja dissimulado, "viva com a bunda entre duas cadeiras" (uma sábia expressão francesa) ou "em cima do muro" como custumamos dizer. Pronto, sumirei! Simples assim! Atitude é fundamental! Demorei mas aprendi: meu coração é o meu fiel companheiro, não posso traí-lo por descuido de uma teimosia.