segunda-feira, 5 de maio de 2008

Além do infinito








Além do infinito
Mora meu coração
As vezes triste
Outras aflito
Mas mora numa mansão
Sem grades
Nem alardes
Apenas emoção
Não é muito exigente
Nem tão pouco indolente
Faz do sonho a sua estrada
Da paixão o seu quinhão
é somente um irreverente
Em busca de uma paixão

Ana Lucia Camargo
05/052008
copyright "©" esta obra está sujeita aos direitos de autor


Um comentário:

QUARTZ POLY disse...

Parabéns!! viva a magia da poesia!!